Notícia



← Voltar à página de notícias

Comunicado

 

A Concelhia do PS Viseu diz que o “ilusionismo” esta na gestão autárquica de Viseu e oferece um retrovisor e um espelho a Almeida Henriques.


Face às declarações do Presidente da Câmara Municipal de Viseu, Almeida Henriques,  sobre as anunciadas reduções nas portagens das SCUTS, para os transportes de mercadorias,  feitas pelo    Sr.  Ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, em que AH acusa o Ministro Pedro Marques  “de ilusionismo, pois oferece com uma mão e tira com a outra, quase em simultâneo”, a concelhia do PS Viseu afirma que o verdadeiro ilusionismo está na governança da CMde Viseu. Almeida Henriques  tenta mostrar aos viseenses e, ao país, que Viseu, através da criação dos eventos; das cerimónias... o concelho vive momentos áureos, quando na verdade, temos um executivo autárquico que “apresenta” a despesa efetiva superior à receita; com  tomadas decisões  prejudiciais para as finanças municipais a médio prazo; com o centro histórico e o comércio tradicional que  continuam por revitalizar,  e que o digam os comerciantes da Rua Direita.  Sem gente para comprar, com lojas remodeladas, com potencial para serem lojas âncora, com interessados em alugá-las e, vá- se lá saber porquê, continuam fechadas, mas requalificadas; com uma crescente entrega de serviços públicos a privados; com uma falta de estratégia para promover o desenvolvimento local nas freguesias rurais, registando-se, ainda, em algumas freguesias problemas infraestruturais graves. Afinal o verdadeiro ilusionismo está no executivo da CM de Viseu, em que AH quer transmitir a ideia de um concelho maravilha, e todos nós gostávamos que assim fosse, mas na verdade, é um concelho de imagem, fruto das políticas de imagem  do atual executivo autárquico. 

O PS local lamenta que Almeida Henriques continue a não defender o concelho de Viseu e a região. 

AH ao acusar o Sr. Ministro Pedro Marques de ilusionismo, quando o Ministro, no passado dia 4 de janeiro de 2019, apresentou uma redução de portagens, de 25% e que pode ir até aos 80% para os transportes de mercadorias, cujas empresas estejam fixadas na região, esqueceu-se de dizer o quanto é importante e relevante esta medida para a fixação de empresas na região e no concelho. Este esquecimento só pode ser compreendido porque, na verdade as empresas estão fixadas nos municípios vizinhos e não em Viseu, mas de certo modo também se compreende, pois, a redução das portagens para os transportes de mercadorias beneficiam bem mais os municípios vizinhos, uma vez que é lá que estão instaladas as empresas. Na verdade, AH apenas cria em Viseu os eventos e continua a não ser capaz de atrair e fixar empresas. 

Relativamente ao atraso nas  obras no IP3, o PS oferece um retrovisor a AH, pois o atual autarca,  na passada legislatura do PSD/ CDS, foi Secretário de Estado Adjunto da Economia e Desenvolvimento Regional, e  nada fez para a resolução do IP3, e o governo PSD-CDS do qual AH fez parte, no final da legislatura apenas deixou um Power Point com o nome “via dos Duques”. Agora, o atual governo socialista tem uma solução apresentada, tem projeto e tem calendarização. O PS também oferece a AH um espelho, pois o Sr Presidente tem que explicar aos viseenses a razão das obras tão anunciadas, reanunciadas, para o concelho, apenas vão ficando pelos   anúncios. A título de exemplo relembramos as obras do orfeão, as obras do mercado municipal...

A concelhia do Partido socialista de Viseu acrescenta que a redução das portagens para os transportes de mercadorias é  mais uma medida  integrada no programa de Valorização do interior, para manter o emprego e criar mais emprego, certamente que todos nós ambicionamos  que a redução das portagens seja no futuro mais abrangente, mas enquanto tal não acontece,  o  Presidente da Câmara Municipal de Viseu deveria enaltecer a medida,  mas infelizmente fica-se mais na política do parecer e não do fazer. 

09 de Janeiro de 2019

partilhar em: