Notícia



← Voltar à página de notícias

Comunicado

O EGOCENTRISMO DE ALMEIDA HENRIQUES PREJUDICA O CONCELHO DE VISEU E DA REGIÃO. 

Face à votação resultante da reunião de Câmara Municipal de Viseu, do passado dia 10 de janeiro, no que respeita à não aceitação, por parte do Executivo Municipal de Viseu, da transferência de competências e atribuições para a Comunidade Intermunicipal (CIM) Dão Lafões, nos domínios do Turismo; Justiça; Fundos Europeus; Captação de Investimentos e Associações de Bombeiros, a Concelhia do Partido Socialista de Viseu, afirma que o egocentrismo de Almeida Henriques prejudica o Concelho de Viseu e a Região. Almeida Henriques, mais uma vez, deu mostras de estar de costas voltadas para a CIM Dão Lafões e seus municípios vizinhos. Dos 14 concelhos que constituem a CIM Dão Lafões, apenas o concelho de Viseu votou contra. 

O mesmo é dizer que as consequências são muito graves para o concelho de Viseu e Região, porque, não havendo unanimidade dos 14 concelhos, a CIM Dão Lafões não vai poder candidatar-se a mais nenhum projeto dentro dos quatro decretos-lei e, o mesmo é dizer que, tudo o que não se venha a fazer nos 14 municípios será da responsabilidade da Câmara Municipal de Viseu e do seu respetivo Presidente da Câmara Municipal. Assistimos todos a mais uma birra de Almeida Henriques de menino que tem a bola a comprometer tudo e todos. 

A Concelhia do Partido Socialista de Viseu considera que, o Concelho de Viseu, e a Região devem tirar as suas devidas ilações, pois o Presidente da Câmara Municipal de Viseu, Almeida Henriques, não se pode assumir como dono e senhor, não pode querer ter o controlo absoluto, não pode continuar com uma relação soberana e presunçosa, revelando até um certo desapreço pelos municípios vizinhos. 

O Partido Socialista lamenta ainda que, na citada reunião de Câmara, Almeida Henriques tenha afirmado, aos Vereadores Socialistas, que defenderam que o município deveria assumir as transferências para a CIM Dão Lafões, que não deu o seu acordo à transferência de competências para a CIM porque esta entidade praticamente só tinha iniciado o debate sobre a estratégia concertada a adotar, na semana anterior, à data da citada reunião, mas, segundo declarações do Presidente da Comunidade Intermunicipal Dão Lafões, Rogério Abrantes, Almeida Henriques mentiu, pois na convocatória, da CIM, de 10 de dezembro, num dos pontos da ordem de trabalhos já constava a análise e discussão das propostas de transferências de novas competências durante o ano de 2019 relativamente a esses quatro decretos-lei. 

A concelhia do PS Viseu questiona até quando, a ânsia pela fama e poder, de Almeida Henriques, vai continuar a prejudicar o Concelho de Viseu e a Região, relembrando o falhanço na liderança dominadora, sem possibilitar a articulação devida com os municípios vizinhos e alheando-se dos seus interesses, no processo de constituição da Empresa Intermunicipal águas de Viseu levando ao impasse comprometedor que se verifica atualmente. 


Lucia Araujo Silva

(Presidente da Concelhia do PS Viseu)

Viseu, 17 de Janeiro, 2019.

26 de Fevereiro de 2019

partilhar em: