Notícias

Reunião - Boaldeia, Farminhão e Torredeita

Dando continuidade ao trabalho de proximidade junto dos autarcas eleitos, o secretariado concelhio, os vereadores e alguns deputados municipais realizaram uma reunião na passada quarta-feira, dia 27 de Maio, na União de Freguesias de Boaldeia, Farminhão e Torredeita.

Em cima da mesa estiveram assuntos relativos à reforma administrativa territorial autárquica e o balanço do actual mandato do PS naquela União de Freguesias.

Ler notícia →

28 de Maio de 2015

PS Viseu debate "Portugal 2025"

Na passada sexta-feira, no salão nobre da Associação Comercial do Distrito de Viseu, decorreu a tertúlia "PORTUGAL 2025 - CENÁRIO MACROECONÓMICO E AGENDA POLÍTICA".

Com a organização da Concelhia do PS Viseu, a moderação ficou a cargo do economista e Vereador do PS na C.M. de Viseu João Paulo Rebelo, e na presença de militantes e simpatizantes do PS, esta tertúlia foi asegunda sessão do ciclo iniciado com "O Trabalho em tempo de austeridade", tertúlia moderada por Rosa Monteiro, vereadora na C. M Viseu e com a presença de Wanda Guimarães e José Pedro Gomes, ambos secretários nacionais do PS e da JS, respectivamente, realizada no pretérito dia 9 de Maio.

João Galamba, deputado, vice-presidente do Grupo Parlamentar do Partido Socialista na AR que integrou o grupo de trabalho que traçou o cenário macroeconómico e que na AR coordena os deputados do PS na Comissão de Economia foi o orador convidado.

Uma política social mais equitativa e um mercado de trabalho mais justo e eficiente ; a responsabilização das empresas pelos custos sociais do desemprego; uma fiscalidade promotora da criação de emprego e dos investimentos em capital humano; a diversificação do financiamento da segurança social; a promoção da reabilitação urbana e a requalificação do património histórico foram entre outros os temas abordados. 

Segundo Adelaide Modesto, Presidente da Concelhia de Viseu do PS, atento o debate muito participado e promotor de uma verdadeira formação e informação recíproca destas tertúlias, a próxima sessão está, desde já, a ser agendada e prevê-se que seja lançada em Junho, e centrar-se-à nas questões dos direitos, liberdades e garantias dos cidadãos e na justiça.

Ler notícia →

26 de Maio de 2015

Portugal mais pobre e desigual

Tal como o PS tem vindo a defender, também a OCDE aconselha o Governo a criar mecanismos de apoio ao rendimento dos mais pobres assim como a investir na educação ao longo da vida, para além de propor o agravamento da carga fiscal sobre os mais ricos.

Ver mais:

http://www.accaosocialista.pt/?edicao=61#/61/portugal-mais-pobre-e-desigual

Ler notícia →

24 de Maio de 2015

Trabalhar com rigor para as pessoas

Novo cartaz do PS por todo o país. 

Ler notícia →

22 de Maio de 2015


Próximos Eventos


Outras notícias

Projecto de Programa Eleitoral do PS - Versão para debate público 

Ler mais em

http://www.ps.pt/images/imprensa/comunicados_ps/20150520_ProjProgPS.pdf

Ler notícia →

20 de Maio de 2015

Vimos por este meio convidá-lo (a) para a segunda Tertúlia organizada pela Concelhia de Viseu do Partido Socialista, a qual acontecerá na próxima Sexta-feira (22 de Maio), pelas 21h00, na Associação Comercial do Distrito de Viseu (Rua da Paz, nº7 3500-168 - Viseu).

O tema é "Portugal 2025 - Cenário Macroeconómico e Agenda Política".

A moderação ficará a cargo do nosso Vereador na C.M. de Viseu, João Paulo Rebelo.

O convidado será João Galamba (Deputado do PS na Assembleia da República).

Ler notícia →

18 de Maio de 2015

É um orgulho saber que o PS esteve sempre na primeira linha da defesa deste projecto!

O Museu Grão Vasco, em Viseu, foi elevado à categoria de museu nacional, passando agora a denominar-se Museu Nacional Grão Vasco, informa hoje um despacho publicado em Diário da República.

O despacho, assinado pelo secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, surge depois de um processo que vinha decorrendo há de um ano.

Já em final de fevereiro, o presidente da Câmara de Viseu, Almeida Henriques, afirmava ter a garantia do Governo de que o Museu Grão Vasco seria elevado ao estatuto de museu nacional, faltando, na altura, apenas um parecer formal, não vinculativo, do Conselho Nacional de Cultura.

Com esta elevação, Viseu entrou "no leque muito restrito de cidades que têm museu nacional", nomeadamente Lisboa, Porto e Coimbra.

"Representa o reconhecimento nacional do valor cultural excecional do Museu Grão Vasco e é um grande trunfo para a sua afirmação e para a promoção cultural e turística da cidade de Viseu", considerou, sublinhando que se trata de uma "grande oportunidade de internacionalização do museu".

A proposta de elevação a museu nacional partiu de Agostinho Ribeiro, diretor da instituição, que considerou que o nome de Museu Nacional Grão Vasco não é mais do que "a reposição da justiça", porque deveria tê-lo "desde os primeiros tempos", atendendo ao seu património (que inclui tesouros nacionais), ao pintor que lhe está associado e também à sua "profundidade histórica".

"A importância histórica, o acervo, a prática museológica e os resultados estatísticos permitiam-nos esperar que esta designação fosse atribuída", afirmou o diretor do museu, que no próximo ano comemora o centenário da sua fundação.

A coleção principal do museu é constituída "por um conjunto notável de pinturas de retábulo, provenientes da catedral, de igrejas da região e de depósitos de outros museus, da autoria de Vasco Fernandes (Grão Vasco), de colaboradores e contemporâneos", refere a Direção-Geral do Património Cultural no seu sítio da Internet.

"O acervo inclui ainda objetos e suportes figurativos originalmente destinados a práticas litúrgicas (pintura, escultura, ourivesaria e marfins, do Românico ao Barroco), maioritariamente provenientes da catedral e de igrejas da região, a que acrescem peças de arqueologia, uma coleção importante de pintura portuguesa dos séculos XIX e XX, exemplares de faiança portuguesa, porcelana oriental e mobiliário", acrescenta.

Fonte: Lusa

Ler notícia →

18 de Maio de 2015

O Departamento do Trabalho do PS, com o objectivo de concretizar aquela que é a directriz principal da actual direcção, aproximar o partido dos militantes e simpatizantes e promover uma cultura de partilha e de debate quanto às soluções possíveis para um próximo governo do PS, tem tentado contribuir para esse desígnio cívico, civilizacional e politico realizando algumas iniciativas.

Pretende-se, ambiciosamente, reavivar, incentivar e tornar visíveis as estruturas do trabalho e o importante contributo que a par dos nossos camaradas sindicalistas todos têm dado para que o descalabro das relações laborais e as condições de vida e de trabalho dos portugueses e das portuguesas não se tenham degradado ainda mais profundamente.

Uma das questões que ainda não se tinha tratado centra-se à volta de como apostar no desenvolvimento promovendo a sustentabilidade demográfica; superar os constrangimentos demográficos existentes, não esquecendo a natalidade e as políticas de conciliação e percebermos os desafios demográficos com os quais estamos confrontados. Estas são as três vertentes de um mesmo problema.

Aqui fica o convite para esta sessão do próximo Sábado.

Ler notícia →

14 de Maio de 2015

No passado Sábado, na Sede do PS Viseu, decorreu a tertúlia "O Trabalho em tempo de austeridade".

Com a moderação de Rosa Monteiro, Vereadora do PS na C. M. de Viseu, e na presença de militantes e simpatizantes do PS, esta tertúlia pretendia ser a primeira sessão de um ciclo ao qual se dará seguimento.

Wanda Guimarães (Secretária Nacional do PS para o Trabalho) e José Pedro Gomes (Secretário Nacional da JS, com responsabilidades na área da Economia) foram os oradores convidados.

Rosa Monteiro começou por afirmar que "porque encaramos que na definição de políticas não deve haver inevitabilidades, fatalismos e que existem alternativas, estamos aqui para pensar criticamente estes retrocessos e perspectivar caminhos de futuro, acreditando que o partido socialista preconizará uma mudança de paradigma, recolocando as pessoas, o seu bem-estar como motores da eficiência económica e do crescimento do nosso país."

Numa harmoniosa articulação de gerações, Wanda Guimarães e José Pedro Gomes comentaram o estado do país, mostrando a sua perspectiva e propondo medidas no sentido de um Trabalho Digno e Emprego de Qualidade.

José Pedro Gomes elencou um conjunto de ideias e propostas ligadas à transição para o mercado de trabalho, precariedade laboral, condições de Trabalho, Segurança Social. Neste último caso, alertou para o enorme desfasamento entre o modelo de mercado de trabalho e o modelo de protecção no desemprego em Portugal, concluindo que "a legislação em vigor é pouco adaptada à realidade laboral dos jovens em Portugal".

Afirmou que este é um processo complexo e heterogéneo. Daí a necessidade de políticas sectoriais integradas, concretas, objectivas. Com objectivos específicos para os decisores públicos, para os jovens e para os empregadores. E tendo em conta tanto o carácter preventivo e de acesso ao mercado de trabalho, como o carácter correctivo da precariedade no trabalho e no emprego.

"A dignidade das pessoas não pode submeter-se a interesses económicos e financeiros. O crescimento económico e a dignidade humana têm de ser pensados em conjunto. Os direitos dos trabalhadores têm de estar no centro de todas as políticas de desenvolvimento económico, financeiro e de protecção social."

Wanda Guimarães insistiu na dimensão social do trabalho e na necessidade de intervenção pública nas relações de trabalho. Com toda a sua experiência sindical, adiantou as suas perspectivas sobre o que pode e deve ser feito pelo PS na qualificação do trabalho e combate à precariedade, de forma faseada e com critérios bem definidos. Deixou um apelo geracional - a rejeição do medo, com grau de exigência ao partido e sem subserviência aos outros.  Defendeu a criação de uma licença parental dividida em três períodos: 2 iguais gozados pelo pai e pela mãe e um terceiro a ser gozado à escolha do casal. Defendeu ainda as 35 horas de trabalho.

Elencou ainda situações graves que marcam a acção do actual Governo:

1. desempregados desprotegidos - mais 650 mil 

2. beneficiários do abono de família - (menos) 4%

3. beneficiários do complemento solidário para idosos (menos) 30 %

4. beneficiários do rsi (menos) 135%

5. insolvências (entre Janeiro 2015 e Abril de 2015) uma média de 44 empresas por dia (aumentou 48 %)

6. subdesemprego – no 1º trimestre de 2015 (mais 33 trabalhadores nessa situação, por dia), mais 252 000 trabalhadores.

7.disparidade salarial entre homens e mulheres - em 2014 Portugal foi o país da UE em que o fosso aumentou 3 pontos percentuais (preconizando a maior subida da UE)

8. contratos a prazo - 90% dos contratos que são celebrados são a prazo e 70% dos desempregados são consequência do terminus desses contratos - este é um flagelo que deve ter fim. O PS deve olhar de forma eficaz, para esta situação.

9. taxa de precariedade - se somarmos todo o tipo de contratação aproxima-se dos 50%;

10.desemprego - subiu duas décimas; dados entre a saída do governo e agora: desemprego real - 1milhão e 100mil desempregados (passou o desemprego real de 15% para 21%),

11. há 13 emigrantes por hora

12. o nº de casais em que ambos estão desempregados triplicou desde 2011.

Por fim, as intervenções do público completaram um debate profícuo no caminho para a defesa de um Trabalho Digno e Emprego de Qualidade.

"O trabalho não pode ser equiparado a uma mercadoria, a um serviço ou ao capital. A relação de emprego não pode ser reconduzida a um bem transaccionável, sujeito às flutuações da oferta e da procura." 

________________________

Segundo Adelaide Modesto, Presidente da Concelhia de Viseu do PS, a próxima sessão desde ciclo de tertúlias está já a ser agendada e prevê-se que seja lançada no final de Maio ou início de Junho.

Ler notícia →

11 de Maio de 2015

COMUNICADO

Os vereadores do Partido Socialista na Câmara Municipal de Viseu, João Paulo Rebelo, Rosa Monteiro e Andreia Coelho, vêm congratular-se por, pela primeira vez, ter sido aprovada uma proposta sua, pelo executivo municipal. 

Trata-se da proposta de “formalização de um protocolo com a Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género e de desenvolvimento de um Plano Municipal para a Igualdade”.

Apresentaram esta proposta por considerarem que, ao contrário da esmagadora maioria das autarquias deste país, não existe, na Câmara Municipal de Viseu, uma estratégia informada e sistemática, de intervenção em matérias tão importantes quanto o combate à violência doméstica, a promoção das condições de conciliação trabalho-família, ou empreendedorismo feminino, entre outras. 

Solicitaram, ainda, que os Conselheiros Municipais para a Igualdade possam vir a ser figuras mais envolvidas e cooperantes com a autarquia neste desígnio. 

Consideram assim ter contribuído com este primeiro passo para a recuperação do atraso da autarquia na formalização e materialização de um compromisso mais efetivo com a promoção da igualdade de género.

A acrescer a isto, e relativamente ao aditamento ao protocolo celebrado entre o Município de Viseu e a Lofilagro, Associação de Inclusão Sócio Económica e de Formação Agrícola e Florestal, os vereadores do Partido Socialista não puderam deixar de lamentar que, mais de ano e meio depois da celebração do referido protocolo, ainda se esteja a discutir a realização de trabalhos a mais, num valor superior a 20.000,00€, quando o inicialmente pago, era já extremamente avultado, mais de 143.000,00€, uma vez que, estamos a falar de apenas 15 talhões e de pequenas dimensões, não estando portanto ainda concluídas as respetivas obras das hortas comunitárias e pedagógicas da Quinta de Cruz. 

Os vereadores do Partido Socialista

João Paulo Rebelo

Rosa Monteiro 

Andreia Coelho        

Ler notícia →

08 de Maio de 2015